sexta-feira, 22 de julho de 2011

Temos que dar valor a tudo...


Valor as migalhas de pão que caem quando mordemos o inteiro, aos restos de refrigerante, pastéis, sanduíches... Que deixamos na mesa da lanchonete por não ter coragem de levar, as roupas que por mais velhas que sejam (Há pessoas que nem as velhas tem para vestir), o lençol remendado (Os mais velhinhos são os mais gostosos de se usar. Não é mesmo?). Em fim, a tudo que temos e que muitas vezes não imaginamos que são tão importantes.
O pior de tudo isso, para muitos, sabe o que é? 
É que somente percebemos o valor de cada coisa, quando as perdemos.


(André Luiz)

domingo, 17 de julho de 2011

A razão de escrever sobre nós.

São os versos que escrevo para você... Releio todos, todos os instantes do dia que posso. É para lembrar dos momentos que passamos juntos e querer reviver cada um novamente, de um modo melhor e mais intenso.
Cada palavra contém um gesto de afeto, felicidade, enfim, tudo de bom que já vivemos.
Um dia, quando pararmos para ver o que de bom ficou de nossa estória, poderemos ler cada uma delas. Poderemos mostrar a vontade de se ter um amor tão bom, demostrado em escritas de palavras.
E nada disso é algo estranho que alguém não possa fazer o mesmo. Basta querer.
Que nossas estórias sejam escritas por muito tempo e que nelas cada um possa estar feliz.

(André Luiz)