quarta-feira, 20 de outubro de 2010

"N" Momentos

Olho para o céu e vejo algo que me lembra... Recolho na lembrança.
Rememoro, remexo e desfaço o laço que amarra o meu sapato allstar.
Há algo de acordo com o céu nele.
Não sei se é a cor que parece quando escurece.
Não sei se é a estrela que tem nele também.
Tem muita coisa azul.
Mas, que há algo parecido, isso há.
Eu recolho na lembrança em busca do que realmente tem e isso eu não abro mão.
Refaço e desfaço em desvaneio, mesmo sem lembrar ainda o que pode ser, mesmo sem dizer que eu mereço.
Uma mudança radical da cor mundo meu.
Eu olho para o céu e vejo e vejo algo que me lembra...
Olho para o céu e recordo de momentos.

(André Luiz )

O tilintar do tempo

Meus ossos sapateiam com o cançasso do dia e dançam em plena noite de sono a que tento me juntar.
Minhas carnes tremem como alguém com medo do que possa acontecer minutos a frente.
Meus olhos sobressaltam em meio a noite, e a escuridão me mostra coisas de minha imaginação como algo a que queira me dizer algo.
Minha própria se lambe e como um alivio de descanso chega a te esperar.
Minhas mãos não param quietas de escrever tudo o que me passa nesse instante em mente do momento que parece parar diante de mim mesmo.
Com tudo o tempo não passa, nem o sono chega.
E o tempo fica a tilintar o tempo que se faz o todo.

(André Luiz)

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Oração a minha companhia



Ôh Deus que provém a bondade de nós / Desata todos os nós que nos amarra e nos faz varrer os fiapos de nossa casa / Lava a nossa lama e nos deixa assiados para te receber / Que o nosso pão seja multiplicado a cada vez, não quando comemos, mas, quando ajudamos a um irmão que precisa do que temos mesmo em abundância / E que nessa ajuda possamos mostrar a cada um que pensa o contrário da verdade de porque ajudar que o amor se constroi assim / Que não sejamos julgados por nossas escolhas / Muito menos permitir a nós julgar o outro irmão por isso / Porque é preciso te sentir hoje, pois não sabemos se virá uma outra ortunidade amanhã / Nossas ações não precisam serem mostradas ao vento para serem levadas as outras pessoas / Fazendo todas com coração aberto e aliviado já basta / Sabendo que somente teremos da pessoa que ajudar o necessário que ela possa dar / E nos satisfaremos com isso, pois o mais virá de ti / Todas as conquistas alcançadas mesmo com afinco ou dificuldade, teremos a tua ajuda / Nos vigia e nos permiti vigiar a cada um próprio / Alertando a cada coisa que nos invade malignamente que nossos portões estão protegidos / Que nele há um guerreiro e um mestre a postos para enfrentar qualquer batalha garantindo a paz que cada um almeja / Nos abençoa com tua luz e presença e nos faz sentir comportados com a tua companhia que é ótima / Agradecidos estamos por tuas benfeitorias.

André Luiz 

As coisas se vem e se vão

As coisas se vem e se vão
Assim!
Num passe de mágica
Num estalo dos dedos
Numa batida de mão
Assim as coisas se vem e se vão.

(André Luiz)

O que me vem à cabeça.

Um dia pensei em ser o sol
No outro pensei em ser a lua
No outro em ser o mar
Ambas se tocam no horizonte
Fim de tarde sem pensar
Ambas se separam
No pensar, no dia a mais
Um dia pensei!
Vou ser aquilo que me torna
Algo mais perto de você
Sem pensar realmente em que...
Vai ser...


(André Luiz)