quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Meu dia de bebedeira.



Transpareço o mel e fel...
A mim
Transmito tranquilidade afim...
No fim de tudo que acaba,
De tudo que transparece.
Transpareço, transpaço e me embriago 
Nessa dança que todo dia faço.
E da ressaca me desfaço
Em transparecer o gole falso
Da bebedeira que me recordo
Da hora em que brindo
O gole guela a baixo.
Transpareço e transpaço
Ternura e força no braço.
Nas pernas a força maior 
De me sustentar e não cair só.
Transpareço a mim transpaço. 

(André Luiz)

Nenhum comentário:

Postar um comentário