quarta-feira, 19 de maio de 2010

Nem a morte faz eu te esquecer.

Tô morrendo de saudade de apertar o teu peito e sentir teu coração, de morder tua língua e misturar o teu gosto com o meu, de olhar no teu olho e dizer do desejo maior da vontade que tenho em te comer inteira.
Tô morrendo...
Saudade me bate e me alimenta cada vez mais.
Tô morrendo...
Tô morrendo mas não é de saudade.
Tô morrendo...
A distância e o tempo prolongado que nos faz estar, faz com que eu me acostume em assim permanecer e vou envelhecendo sem ao menos aproveitar cada minuto contigo, cada sorriso, cada beijo, cada transa.
Tô morrendo...
Quantas vezes direi ao medico que me socorre a cada enfarto de tristeza que meu remédio e cura é você?
Tô morrendo...
Faltam apenas cavar três palmos no chão para jamais me ver.
Morri...
Nem assim vou te esquecer.

(André Luiz)

Nenhum comentário:

Postar um comentário