sexta-feira, 16 de abril de 2010

Salada de confições

Tudo o que mais prezei em toda a minha vida, foram pessoas que estavam ao meu lado, fazendo de uma forma qualquer que eu me sentisse bem(Isso que parecia).
Jamais julguei alguém pelos seus atos de atrocidades, pois, muitas vezes via que era parafernalha de uma perturbação mental ao qual estava passando e que de fato, sem pestanejar, poderia estar sujeito a qualquer hora.
Sou ser e sendo, não sei quem realmente sou.
Minha primeira palavra não era de abandono, pelo contrário, se acompanhava passo a passo tudo o que acontecia é porque me deixavam participar.
Durante muito tempo fui plantando sementes de mim em cada ato meu, em cada busca encontrada, em cada erro concertado e dai vinha cada fruta arrancada.
Hoje, as colho, e quando as colho vejo que são grandes frutas, porém não tem uma menor qualidade.
Saber onde errei, se errei ou se foi alguém que errou por mim, não posso mais saber.
Tudo o que mais prezava, hoje me faz pensar em cada detalhe de minha exposição mal feita, de minha sugestão mal ajustada, de minha pessoa como melhora no decorrer de tudo.

(André Luiz)

Nenhum comentário:

Postar um comentário