domingo, 28 de março de 2010

Ao desconhecido.

Não são minhas as mãos que te seguram na jornada de longo percurso, nem tão pouco meus pensamentos são ligados a você. Meu coração é que acelera com sua presença, meu corpo em geral treme por pensar o que irei fazer quando estiver em tua frente. Mas, não me importo. É natural, pois, ainda não te conheço. Assim, faço aquilo que é movido primeiramente a mim.

(André Luiz)

Nenhum comentário:

Postar um comentário