sábado, 26 de setembro de 2009

Olhe para o seu próprio nariz.




Matas estão sendo devastados, animais estão sendo mortos para a industrialização de produtos ou até mesmos capturados e colocados em ambientes impróprios para criação, rios estão sendo poluídos tornando suas águas impróprias para o consumo, árvores estão sendo derrubados por conta do desrespeito do ser humano para com a natureza. E assim, os mesmos matam uns aos outros, tomam o que possuem e o mundo vai se tornando uma merda com a junção de tudo.


Enquanto isso as pessoas que eram para estarem se preocupando consigo mesmas e tentando resolver esses problemas estão simplesmente observando e tentando... Ou melhor, incomodando-se com a vida dos outros. Porra! A vida é de cada um e cada um tem o direito de colocar o dedo onde bem lhe convém, até mesmo no próprio... Temos o livre arbítrio de fazer o que bem entendemos, de viver da forma que mais nos convém viver, acompanhar a quem quer realmente nossa companhia, gostar de quem nos gosta independente do que somos e deixamos de ser, vivenciar momentos de alegrias com essas pessoas e principalmente sentir carinho por elas, sendo esses homens, mulheres, crianças... Mas não, enquanto você não está nem ai para o que está fazendo ou deixando de fazer as pessoas de alguma forma tem que perderem seu tempo imaginando coisas e ainda as dizendo sobre... Vá a... PI...

O tempo passa e você não olha para o seu próprio nariz. Eu vou viver minha vida da mesma forma em que estou vivendo e você perdendo o seu temo em dizer coisas que realmente não acontecem.

Tenho minha personalidade perante minha vivência enquanto você tenta de fato modelar ainda a sua, não tendo o bom caráter de ver com verdade o que acontece. Seja maduro (a)! Seja alguém de verdade que possa mudar, mesmo que seja o mínimo alguma coisa nesse mundo.


(André Luiz)

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Ela conseguiu.

Muito tempo se passou
Muito tempo estudou
E agora conseguiu
Realizou.


Agora é uma nova etapa
Agora ela vai trabalhar
No que se formou.
Guia, hahahaha...


Sabe porque as risadas?
É que é incrível o que aconteceu
Sabe o que fez um dia?
Se perdeu.


O que ela tem que fazer
É de fato aprender
A se orientar, caminhar...
Pelo lugar...


Para quando alguém quiser ir
De verdade ela conseguir
E ainda não precisar os outros
Procurar, por se perder por lá.


Mas isso ela consegue de letra
É contagiante
Sua força, sua razão...
Em fim.


Parabéns te dedico
De có salteado assim.
Mas, quando for pra um lugar
Não esquece de me levar.



(Repara no Luc da pessoa).
Parece guia turística?
A menininha tá crescendo de juízo.
Huahua =D

(André Luiz)




Críticas são o nosso melhor remédio.

Recebe-las é sempre proveitoso, porque não?
Enquanto muitos preferem ser acabados com elogios, vamos seguindo nossos passos com elas, se erguendo cada vez mais, recebo-as bem. De fato, quem se prestigiar a ser o da vez em dizer é porque realmente está sendo verdadeiro.
Só não podemos menosprezar a quem faça isso, pelo contrário, temos que elogia-los pra valer.
Corajosos são esses que criticam aos outros, lhes dizem o que realmente querem ouvir, mas, de nenhuma forma os rebaixam.
Assim críticas são construtivas quando ditas na hora certa, com palavras certas e quando se faz entender.
Críticas, o ser humano tem que aprender a viver com isso, saber...

(André Luiz)

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Eu sou...

... Doido por quem me é doido.
...Doido por você, você, você, você e vocês.
Sou doido pelo raio de sol que surge na manhã, pela flor que desabrocha, pela exalação meu cheiro, pela remela que retiro do olho quando acordo, pelo bafo que me aparece...(Nojento)
Sou doido pelo cheiro que é de teu corpo, pela mordida que eu dou na comida, pelo dente que tenho que arrancar, pela palavra de mal gosto que me dita (Assim sei em quem poderei de fato acreditar), pela água que me molha, pelo vento que me toca, pela pessoa que me convém...
Sou doido por isso e mais além.
Sou doido por mim também.
Afinal se não não fosse por mim, não seria por mais ninguém.
Eu sou...
E sempre sereis (Vos vais e vos veis).
Eu sou doido, porém normal.

(André Luiz)

Quem seriam...

...Realmente aqueles que chamo de doidos?

Os que acordam e pensam em passar um tempo ao lado de quem realmente deseja estar ao lado?
Os que te escolhem como amigo, dividindo com você todos os momentos... Sejam eles de alegria ou tristeza?
Os que brindam contigo a verdadeira alegria e vontade do momento?
Os que te dizem o que realmente você precisa, na hora que precisa? (Afinal, muitas vezes não olhamos para o próprio nariz e não percebemos os nossos defeitos, ficando ainda com defeitos).
Os que de fato lembram de você até mesmo quando acordam? Dizendo: Que vontade se estivesse aqui...
Os que não passam mais ao seu lado, mas que de alguma forma no decorrer dia pensam ou lembram de algum instante vivido em que você esteve presente?
Os que te detestam ou não olham mais para a tua cara?

Quem seriam os que realmente chamo de doido?
Ou de fato o doido aqui sou eu que se pergunta sem parar?
Bem.
Doidos ou não, esses a quem presencio o passar são de verdade o meu hospício, o meu tratamento...

Se se perguntar do que realmente quer ter, com certeza pode ser até considerado como doideira, porem uma analise que estará fazendo da tua vida.

"Se em um instante do dia pelo menos metade do mundo parasse para pensar no que estão realmente fazendo ou vivendo, e/ou com quem vivendo o mundo seria... Um doido diferente dessa anormalidade em que muitos dizem viver. Pois, os doidos são os que realmente se preocupam com a realidade em que vivem. Enquanto os normais passam o tempo todo achando que são normais".

"Sou doido e sou feliz".

E se um dia quiseres ser um doido que faz parte em minha vida, saiba lhe dar com isso que eu sou. Doido!!

(André Luiz)

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Minha Flor

Manhã cedo desabrocha
E mostra beleza de um ser
Melhorando...
Todo o meu jeito de amanhecer.

Não é branca, vermelha...
É de cor natural.
Pequena, mas por dentro grandiosa
Tem formosura e singeleza sem igual.

Ela é linda!
Beleza não lhe falta pra elogiar.
A amo tanto.
Como não poderia amar?

É minha maior razão.
É minha força,
Meu viver,
Meu lutar.

Desabrocha minha linda
Nesse dia e nos demais.
Mostra ainda o sorrir
Do que fez e do que faz.

Ama a quem te ama.
Perdoa não somente a quem te perdoar.
Fala, exclama...
E seja a quem verdadeiramente é e será.

“Nada do que possa escrever se compara a extraordinária mulher que é minha mãe”.

(André Luiz)

O assunto que faltava.

É incômodo não ter algo que escrever.
Mais um dia se vem e já são outros momentos.
Vem, e logo se vão.
Ocupam por pouco tempo.
Ainda restando pouco, fecho os olhos para pensar no que escrever e quando me dou conta...
Adormeço.
De fato o novo dia chegou.
Agora tenho algo.
Simplesmente o assunto de não ter nada para relatar no dia anterior.
Pronto!
“Assim, tudo se torna motivo para escrever”.

(André Luiz)

Se preocupas demais!!

Cabeça?!?
Ai!

A vejo normal,
Mas, já que sente isso.

Está como um balão,
Uma bechiga,
Prestes a ser explodida.
Prestes a explodir.
O que faz agora?
Deixa explodir de vez?
Fica a aguentar a dor?
Faz de conta que não está assim?
Perguntas e mais perguntas.
Só isso vem.
E a cabeça continua...
Como um balão prestes a explodir.
Vendo a hora fezer, Bumm!

Cabeça!!

Ai!!

Parece que só de pensar, doi.




(André Luiz)

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Vai, mas volta.




















Vai sem demora.
Vai!
E não diz adeus.
Vai e nem se quer olha para trás.
Nem pense em um só instante em desistir.
Vai...
Nada de despedidas.
Que eu fico aqui.
Espero-te.
Que ficamos aqui.
Esperamos-te.
Quando voltar
E se um dia voltar.
Estaremos aqui no mesmo lugar.
Só relato que não da mesma forma, jeito...
Mas, estaremos aqui.
Vai... Vai!
Faz o que tem que ser feito logo.
Faz e lembra em cada momento de nós.
Aqueles que não foram.
Mas, que te esperam.
Vai sem demora.
Vai... Já é hora.
Nada de despedidas.
Nada mais.

(André Luiz)

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

As mãos na hora certa.

É incrível que em alguns dias você consiga pensar em várias coisas diferentes, revê tudo o que aconteceu em momentos recentes que quer relatar, pensa não só neles, mas, as palavras certas e coerentes, as formas de como vai contar tudo para não parecer um sentimento além do que é para ser, (afinal todo ser humano imagina mais do que vê) e encontra-se sem forças suficientes para jorrar.
Já, em outros dias, sem nenhum esforço, diante de um papel e uma caneta facilmente se passa tudo, levemente se jorra tudo, sem demora e ainda brinca com as palavras.
O ser humano é uma coisa incrível, sendo as mãos parte dele.

As mãos...
“As uso não somente para escrever como também para acariciar a quem de fato merece.”

(André Luiz)

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Aqueles que amam...

...Cada um por cada um?!
Qual o sentido?!
Dar-se por inteiro a todos sem ter medo?!
Usar-se amorosamente a todos?!
Qual o sentido?!
Amar cada um aos poucos é mais gozador?
Amar a quantidade inezata, teu coração é capaz, mas, em fim, há vários amores, todos eles diferentes.
Amar é tudo que passamos grande parte fazendo.
Amando a quem nos ama.
Gloriando a quem nos gloria.
Ai, o resto, é resto. Até o ponto em que possamos ama-los também.
Assim não sobra tempo para a tristeza, angustia, solidão... E mesmo quando aparecem, lembramos de pessoas que existem e que nos amam, pessoas que estão sempre ao nosso lado.
Vida!
Vida vivida e idolatrada.
Amor de forma dada.
Hoje temos e gratificamos a quem o merece (Quem merece).

"Os que amam, amarão à aquele que não ama, pois não serão secos iguais a eles."

Qual o sentido?
Esse cada um tem o seu guardado.

(André Luiz)